27 Janeiro 2010

Não apaguem a memória 

 

“Eu estive aqui e ninguém contará a minha história”. Esta frase, escrita numa pedra em Bergen Belsen, poderia ter sido escrita em qualquer outro campo de concentração ou extermínio.

Esta frase levou Luís Sepúlveda a compreender que tinha que contar muitas das histórias que conheceu ao longo de anos, na sua vida de andarilho, histórias de homens e mulheres que encontrou.

Sepúlveda encontrou, em Rosas de Atacama, palavras simples e nobres para contar o encanto de uma humanidade que nos reconcilia com a vida, apesar de tudo e, tal como ele, ficarmos maravilhados com flores vermelhas colorindo um Deserto como o de Atacama.

 

publicado por Biblo-ESARS às 23:44

Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
22
23

24
25
28
29
30



mais sobre a biblioteca
pesquisar
 
Professora Bibliotecária
Ana Paula Gonçalves

Na grande biblioteca

"Na grande biblioteca os sábios sentam-se e lêem livros.

Eu sento-me no meio deles, mas não sei porquê.

De tempos a tempos um deles passa pelas brasas

E depois levanta-se para ir beber um café.

Eu deixo-me estar visto que sou o único entre eles que não sabe por que lê os livros empilhados à sua frente na secretária.

Lá fora o sol brilha, os esquilos saltitam no relvado e trepam pelas árvores.

Eu sento-me e leio.

Todos temos que fazer alguma coisa.

As pessoas passam na rua.

Têm coisas para fazer.

Eu leio e leio visto que não tenho mais nada para fazer, e o tempo passa devagar."

Jovan Hristic

Versão publicada por LP, “Do Trapézio, sem rede” às 14:02 a 9/Fev/2010 a partir da tradução inglesa de Charles Simic reproduzida em The Horse Has Six Legs - An anthology of serbian poetry, organização e tradução de Charles Simic, Graywolf Press, Saint Paul, 1992, p. 121

O Medo

"caminhar no deserto, reencontrar a magia das palavras e usá-las com maior ou menor inocência, como se as usássemos pela primeira vez, como se acabássemos de as desenterrar das areias. as palavras, esses oásis envelhecidos que me revestem o corpo como um trapo que sempre me tenha pertencido...

a partir desse momento acumulei infindáveis cadernos escritos; era esta a única maneira de remediar o medo e de não possuir nada, e de ter possuído tudo."

, Al Berto

links
blogs SAPO